Eu não sou diferente... Os outros é que são muito iguais.

20090704

A rapariga que sonhava com uma lata de gasolina e um fósforo

Depois de ter terminado o trabalho no Secretariado de Exames. Depois de a primeira fase dos mesmos exames ter chegado ao fim com as provas orais de Inglês, Francês e Língua Portuguesa. Depois de ter feito a Autoavaliação do Desempenho Docente. Depois de ter recolhido as evidências dos objectivos individuais a que me propus. Depois de ter organizado o meu portefólio para entregar à minha avaliadora. Depois de ter organizado o arquivo morto da escola. Depois de ter concluído todos os primeiros e-fólios das cadeiras do primeiro semestre. Depois de o carregador do meu computadorzinho se ter estragado. Depois de ter ido à FNAC comprar um carregador novo que me custou os olhos da cara. Depois de ter adquirido um livro novo porque não consigo ir à FNAC, uma verdadeira casa do demo, sem comprar um livro, no mínimo. Depois de tirar uma fotografia do "antes" à minha mesa da sala. Depois de saber que as listas de colocação deverão ser publicadas na próxima segunda-feira.

A RAPARIGA QUE SONHAVA COM UMA LATA DE GASOLINA E UM FÓSFORO

Eis o novo título que me vai acompanhar neste final de ano lectivo. Sim, o título quase que poderia ser autobiográfico. Não fora já ter ouvido falar (muito bem) do autor e das condições estranhíssimas da sua morte, acho que comprava o livro só pelo seu título e por - de momento - me identificar com o dito.

Cliquem na imagem da capa para ver o booktrailer.

5 comentários:

velvetsatine disse...

Creepy! The whole thing! :D

Bom descanso!

Bjs

Vee disse...

hehehe Obrigada. Para ti também, se bem que o teu ano lectivo já tenha (re)começado... É estranho pois não estou habituada a esses timings. Beijo.

Paulo disse...

/me ouve como música de fundo os acordes do "Psycho" e pensa "yikes! she's getting freaking nuts!" :P

Vee disse...

Podes estar descansado, morzinho, que eu não vou atrás de ti com uma faca LOL ;)*+

entremares disse...

E então, quando chegou a sua vez, ela exclamou, alto e bom som:
- 21!
Escândalo. O que era aquilo? A colega estava a dormir ou a sonhar acordada?
- Como assim, colega ? Não percebi…
- 21. - repetiu ela, com energia redobrada
- Mas colega… está a brincar… - e o director de turma revirava a esferográfica nos dedos - e estamos todos cheios de pressa… qual é nota que tem para a Liliana ?
- Para a Liliana ? Ah… a Liliana… 7, dou-lhe sete.
- 7… muito bem… continuemos…

- Patrícia de Jesus, Matemática…
- 21 !
- Sinceramente, colega… veja se acorda… estamos aqui a tentar despachar isto e a colega não está a ajudar nada…
- Sim… ah, claro, claro… e estamos a falar da … Patrícia, não é?
- Da Patrícia, sim…
- A Patrícia…. pois claro … a Patrícia… 7, dou-lhe sete.

- Nuno Ribeiro dos Santos… Matemática…
-21!
- Colega… ESTOU FARTO ! FARTO, FARTÍSSIMO. – o director de turma assemelhava-se nesse momento ao vulcão Krakatoa, dois segundos antes de explodir - Pare de gozar connosco. Só porque lhe chamámos a atenção para não falar muito nas reuniões … não quer dizer que agora esteja aqui só a querer gozar connosco…
- Mas… - e a professora de Matemática colocou o seu ar mais inocente - … está equivocado, senhor presidente… é claro que eu nunca iria fazer pouco de si… e muito menos dos colegas…
- Equivocado ? Eu, equivocado? Então porque está sempre para aí a berrar 21, de cada vez que chega a sua vez de dar uma nota ?
- Essa agora… então não sabe, senhor presidente ? Então estes alunos não são daquela turma do curso profissional ?
- São, sim… e o que tem isso a ver? Eu só lhe pedi a sua nota…
- Mas é claro, senhor presidente… mas é claro… e foi isso que eu lhe tenho estado a dar… Em matemática, a minha disciplina… todos eles fizeram o módulo 21… se quiser pode confirmar…

( Pois, achei que vinha a propósito...)